Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Empresário trabalha com alumínio: adivinhe de qual material é constituído seu primeiro hot rod?

Texto: Vitor Giglio
Fotos: Ricardo Kruppa

Bastou assistir a alguns programas do canal por assinatura Discovery Turbo e ser proprietário de uma empresa que trabalha com chapas galvanizadas de alumínio. Estas duas condições foram mais que suficientes para que Orlando Souza Franca, 36 anos, nascido em Mauá, Grande São Paulo, e residente em Curitiba (PR), pudesse realizar um sonho de infância: possuir um hot rod. Mas por qual motivo o sonho demorou tanto tempo para ser concretizado? “Gosto de veículos antigos desde criança, mas antes as condições financeiras não ajudavam. Agora, finalmente, pude realizar um sonho”, explica o mais novo rodder.

Hot Rod Americano

A grande inspiração para que Orlando definisse como seria seu projeto foi o Alumatub, um veículo desenvolvido em alumínio pelos profissionais do programa American Hot Rods, exibido pela Discovery Turbo. “Quando vi aquele carro me pareceu um sinal. Como eu trabalhava com alumínio, seria um projeto bonito, mais barato e que, ao mesmo tempo, pudesse mostrar o serviço que minha empresa é capaz de fazer”, conta orgulhoso. Inicialmente, Orlando procurava por um Ford Tudor para usar como base do projeto, mas quis o destino que em suas mãos caísse o chassi de uma picape Ford 1929. “Na verdade, hoje em dia, de Ford 1929 ele só tem o documento, pois nem mesmo o chassi nós pudemos aproveitar e acabamos criando um novo especialmente para o projeto”, explica.

Para Orlando, o mais importante em seu primeiro projeto são as características que ele possui. “No final das contas, um hot rod não é apenas um carro, mas um carro que tem a cara de seu dono”, garante, sem deixar dúvidas sobre suas preferências, transferidas ao novo xodó.

Seis meses de trabalho

A customização da picape durou exatamente seis meses. E todo o serviço foi realizado na empresa de Orlando. Toda a carroceria do veículo foi desenvolvida em alumínio, em camadas grossas, que deixaram o veículo com cerca de 950 quilos no final das contas, não tão leve como possa parecer. Além disso, coluna de direção, radiador, maçanetas, painel, tampa de válvula e outros pequenos acessórios foram produzidos com o mesmo material.

Sob o capô, um motor Chevy 350 foi selecionado para dar vida ao veículo. A suspensão recebeu barra de torção enquanto a traseira é uma 4link com coil over e o diferencial é Dana 44. O conjunto mecânico dispõe ainda de transmissão automática TH 350. Todo o sistema é responsável pela geração de 290HP e, de acordo com o proprietário, faz cerca de 5 quilômetros por litro de combustível.

Alumatub brasileiro

Com relação ao aspecto visual, o hot de Orlando não deve nada ao desenvolvido pelos especialistas do American Hot Rod. Destacam-se em meio à carroceria de alumínio pneus Pirelli, de 15” na dianteira, e Toyo, de 17” na traseira, além de lanternas originais do Ford 1929 e faróis fabricados em alumínio, bem como ponteiras de escape da Zelo.

Outro importante detalhe do projeto é a caçamba, que abriga o tanque de combustível – também de alumínio – e assoalho em madeira. No interior, destaque para volante e pedais Art Billits e para o centro do painel, que abriga relógios Cronomac em meio a um latão dourado, adicionado para agregar ainda mais charme ao bólido. Bancos e laterais de porta receberam o revestimento de couro. Orlando conta que a paixão com o xodó é tanta que ele só não sai da garagem quando está chovendo, e que passou um grande susto recentemente, apesar de todos os cuidados que tem com o bólido.

“O carro pegou fogo poucos dias depois que fizemos as fotos, mas ele foi controlado e chegou a danificar só uma pequena parte na dianteira. Na hora pensei que ia perder o carro, mas tudo foi controlado”, explica o proprietário que já providencia a restauração da picape. No final das contas, a moral da história é que a primeira vez, a gente nunca esquece!

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA