Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Conheça um autêntico representante brasileiro da cultura cujos ícones se orgulham de rodar “baixo e devagar, low and slow, bajito y suavecito”!

Texto: Victor Rodder
Fotos: Mel Gabardo

Lowrider

No vocabulário norte-americano, a palavra “lowrider” é utilizada para descrever um veículo customizado, alterado para rodar o mais próximo possível do chão. Mas a cultura Lowrider, ou Lowriding, é muito mais do que isso, e tem suas raízes na década de 1930, nas comunidades latinas do sudoeste do México. Mas hoje, quase um século depois do primeiro “pachuco” passar pela Whittier Boulevard, em East Los Angeles, dirigindo um carro com o porta-malas cheio de sacos de areia, essa cultura se expandiu muito, e não é mais exclusivamente mexicana. Latinos, sul-americanos, afro-americanos, asiáticos e outros grupos étnicos passaram a contribuir fortemente para o seu desenvolvimento e, desde o início de 1990, os lowriders tornaramse comuns na cultura jovem urbana em geral, principalmente na cena hip hop da West Coast norte-americana.

Com a diversificação multicultural do Lowriding, veio também maior amplitude de marcas e modelos de veículos que, indiscutivelmente, são os ícones desse movimento, que se orgulha de rodar “baixo e devagar, low and slow, bajito y suavecito”! E não foram apenas os carros que mudaram. Os estilos visuais também se diversificaram, se modernizaram e hoje são parte tão importante dessas “comunidades de origem chicana”, quanto os próprios veículos e a música. Mas essa história, com muito mais detalhes, eu já contei em edições anteriores aqui em Hot Rods. O que eu não falei nem mostrei antes foram exemplos de como isso de fato acontece em nosso país. Por isso, este mês resolvi trazer essa realidade, com um pouco mais da cena lowridin’ brasileira, para as páginas da minha coluna Cultura Hot.

A ideia surgiu quando o casal Alexandre Prim e Aline Wons, do estúdio de tatuagens Silence of Art, procurou o estúdio de Mel Gabardo para uma sessão fotográfica. Para mim, já na primeira reunião com eles, ficou claro o estilo que seria escolhido para as fotos. Mas, quando conversamos um pouco mais e soube do tipo de música e carros que eles queriam para as imagens e o vídeo que seria também produzido, não tive mais dúvidas: era hora de mostrar um pouco da vida Lowrider do sul de nosso país.

Lowrider
Lowrider

Cena brasileira

Imediatamente comecei a pesquisar os carros que estavam disponíveis para as fotos. E, já que a ideia era contar não a história lá dos EUA, mas sim dessa cena aqui no Brasil, nos dias de hoje, os tradicionais Chevy Impala de meados da década de 60 imediatamente estavam de fora, assim como as caminhonetes e os Cadillacs. A essa altura minhas opções começavam a rarear e em algum momento cheguei a ficar preocupado. Foi quando me lembrei de um certo Galaxie 1969 “Cruzeiro do Sul”, fabricado em território nacional, que serviria como uma luva para o que eu queria.

Na hora liguei para o dono, Michael Deconto, que, depois de ouvir a ideia, concordou em ajudar a fazer as fotos que ilustram essa matéria. Com uma excelente fotógrafa, um carro alucinante e modelos que realmente curtem o estilo, era hora de descolar uma locação à altura deste “job” para fechar o pacote. Pegamos então o carro e rodamos um pouco pela área industrial de Curitiba. Nossa primeira parada foi em uma propriedade cheia de barracões metálicos.O nome da empresa era BrasilSat e, depois de 5 minutos de conversa, descobri que um dos diretores era ninguém menos do que João Alexandre, que dentre outros muitos talentos, é piloto de arrancada, tem alguns “bons carros” em sua garagem, e também comanda a Powertech, empresa especializada em peças de performance para carros de rua e de pista.

Nem preciso dizer que, quando falei com Alexandre, ele também concordou em nos ajudar. O resultado, com tudo conspirando a nosso favor, não poderia ser outro, e é o que está nestas páginas! Obrigado a toda equipe: Mel Gabardo (fotos), Alexandre Prim e Aline Wons (modelos); Carol Cappellini (maquiagem), Elton Littig (cabelo), Anderson Latenik (cinegrafia, edição, finalização e sonoplastia do vídeo), Preticia Jerônimo (assistente de fotografia), Michael Deconto (proprietário do Galaxie 69), Gupo BrasilSat e João Alexandre (locação).

VEJA TAMBÉM: A paixão pelo Lincoln 1979 lowrider.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA