Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Dupla de Fords Coupé 1940 mostra duas vertentes da cultura hot rod: a dos puristas e a mais radical

Texto: Flávio Faria
Fotos: Ricardo Kruppa

Ford Coupé 1940

Com linhas arredondadas e traseira bem marcada, o Ford Coupé 1940 é sinônimo de esportividade entre os carros antigos. Na época, inclusive, o modelo foi criado com este objetivo, de ser um esportivo da marca. Era o preferido de policiais e bandidos. Tanto é que o veículo, na época, foi muito utilizado tanto como viatura quanto como carro de fuga. Nesta edição, Hot Rods traz dois exemplares que mostram essa “dupla personalidade”. De um lado, o “mocinho”, um Coupé quase todo original, só com a mecânica adaptada. De outro, um legítimo hot rod com 280cv de potência e suspensão a ar. Qual você prefere?

Bad Guy

Figura carimbada da revista Hot Rods, Antônio Carlos Marin, o Toninho da Marin Olds, já apresentou diversos projetos de respeito na revista. E dessa vez não poderia ser diferente. Este Coupé 1940 com cara de bandido, nas palavras do proprietário, é um dos seus sonhos realizados. “Eu sempre quis ter um Ford Coupé e fiquei à procura de um exemplar por cerca de cinco anos, quando fiquei sabendo deste carro, que à época estava em Brasília. O antigo proprietário tinha se interessado por um carro meu e estávamos negociando uma troca. Eu estava radiante, imaginando que, finalmente, meu sonho estaria realizado, mas infelizmente meus planos foram por água abaixo. Alguns detalhes não se concretizaram e a troca não deu certo. Só que eu estava decidido a ter aquele carro, então peguei um avião para Brasília e fui encontrar o dono do carro. Após negociar muito consegui trazer o Ford”, detalha.

Quando chegou às mãos de Toninho, o Coupé estava em excelente estado. “Dava até dó de mexer”, brinca. Mas mesmo assim ele decidiu deixar o carro a seu gosto. “Quando ele chegou, o projeto já estava pronto, eu já tinha certeza de como queria o carro”, explica. A partir daí foi só colocar o plano em prática.

VEJA TAMBÉM: Ford Coupé 1941: Clássico moderno?

Por partes

A primeira providência foi trabalhar a parte mecânica. Como Toninho já tinha ideias “maldosas” para o Coupé, foi só acertar os detalhes com o mecânico Reinaldão, que adaptou um V8 302 de quase 300cv. Além disso, o carro recebeu funilaria e pintura completas, além de acessórios novos em folha. Mas vamos por partes… Recém-chegado de Brasília, o carro ainda ostentava a cor cinza original, que não estava nos planos de Marin. O Ford recebeu, então, um trabalho meticuloso de funilaria, que não levou muito tempo, já que o estado geral do veículo era excelente, e foi totalmente pintado de preto. “Para mim, cada carro antigo tem uma cor que lhe cai melhor e acredito que os Ford Coupé 40 devem ser pretos”, afirma o proprietário. Grade e faróis puderam ser restaurados, mas detalhes externos, como retrovisores, tiveram de ser importados dos Estados Unidos, uma vez que não é tão fácil achar peças para este modelo no Brasil.

As rodas dão um ar ainda mais esportivo para o modelo. As peças são da American Racing, de 14” na dianteira e 15” na traseira. Os pneus são Cooper Cobra, nas medidas 235/60. A suspensão original, em eixo rígido, foi substituída por um sistema mais moderno, para poder receber bolsas de ar. Essa era uma das exigências de Marin, ter um carro que pudesse ser “colado” no chão quando ele assim o desejasse. Na traseira, mesma coisa. O sistema original por feixe de molas foi retirado e no lugar entrou o sistema a ar.

Modernidade e conforto

Por dentro, os bancos originais deram lugar a modelos mais modernos, forrados com couro, para dar mais conforto para a condução. O volante é da Lenker, com pegada mais esportiva. Os instrumentos são todos originais de fábrica, mas foram retirados e restaurados para funcionarem com o novo sistema mecânico.

302, 280cv

Por baixo do capô do Coupé está um motor Ford 302 V8, que ficou no lugar do original flathead de pouco mais de 90cv. A diferença é assombrosa, principalmente porque o propulsor 5.0L da Ford recebeu algumas “pimentas” para render 280cv de potência, 40% acima dos 200cv originais.

Para alcançar este resultado, foram adotadas soluções simples de performance e confiabilidade. Para começar, toda a “parte de baixo” é forjada, incluindo aí pistões e bielas, que agora podem trabalhar sob maior estresse sem chance de quebrar. Os cabeçotes receberam um retrabalho para melhorar o fluxo de ar e comando de válvulas de maior graduação.

VEJA TAMBÉM: Hot rod de fibra: um Fordinho com motor V8.

A parte de alimentação também ganhou um upgrade, com a adoção de um carburador Holley quadrijet com 750cfm de vazão. Para deixar o motor mais “livre”, o sistema de escape original deu lugar a tubulações diretas, com montagem do tipo 8×2, feito pela German Racing. O sistema de transmissão conta com um câmbio mecânico de quatro velocidades. Como já dito, a suspensão é a ar, então é possível baixar o carro para ganhar mais estabilidade, o que é bom quando se tem quase 300cv à disposição.

Segundo Marin, o carro é usado sempre, inclusive para levá- lo ao trabalho. E, apesar de ser um velho sonho, ele não descartaria se desfazer dele. “Se fosse para terminar algum outro projeto, eu acho que venderia sim”, avalia o proprietário, que faz questão de agradecer aqueles que o ajudaram com o projeto. “Hoje sou muito bem recebido em qualquer lugar que eu vá com o carro, por isso só tenho a agradecer aos que me ajudaram a tornar realidade este sonho”, finaliza.

VEJA TAMBÉM: Galeria de fotos: Motor Show Curitiba.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

1 COMENTÁRIO

  1. Ficou perfeito, mas bem que poderia colocar uma foto de quando o carro chegou as mãos do Toninho para podermos comparar. Abraços. Marcelo Romanelli.

DEIXE UMA RESPOSTA